Verità Tecnologia

Verità Tecnologia

Somos a Verità Tecnologia.
Temos tudo que você precisa para desenvolver seu projeto web. Suporte Ilimitado.
Hospedagem de sites, registro de domínio, comércio eletrônico, e-mail marketing e muito mais.

Você provavelmente já passou pela sofrida experiência de procurar por muitas e muitas horas aquela imagem perfeita (e gratuita) para seu projeto.
Às vezes conseguimos encontrar alguma fotografia em algum banco de imagens grátis que se encaixa na proposta, mas convenhamos que nem sempre é uma tarefa fácil.
Hoje, quero compartilhar um “truque” que poucos conhecem, mas que possibilita baixar imagens profissionais, de bancos de imagens pagos, de forma totalmente legal.
Nesse exemplo utilizamos o banco iStock, da Getty Images.
Confira o passo-a-passo:
1 – Faça o cadastro gratuito na iStock
O cadastro é simples e não levará mais que 1 minuto. Você só precisará inserir seu e-mail e criar uma senha de acesso.
2 – Encontre a seção com os arquivos gratuitos
Após o cadastro, basta ir até a seção de freebies, no final da página inicial, antes do rodapé, para encontrar os arquivos disponibilizados gratuitamente.
Clique naquele que deseja fazer o download.
Depois, é só escolher o tamanho desejado (recomendo baixar sempre o maior) e clicar no botão “Download Gratuito”.
O legal é que no caso da iStock, você terá sempre novos arquivos toda semana.
A sugestão que eu dou é acessar essa área e baixar toda semana os arquivos disponíveis. Dessa forma você consegue criar seu próprio estoque de vídeos, vetores e imagens profissionais para quando precisar utilizar.
Mas, é importante sempre analisar a licença de cada arquivo para saber suas permissões de uso.
Em alguns casos, como por exemplo se você for imprimir mais de meio milhão de cópias utilizando uma fotografia baixada, será preciso adquirir uma licença estendida.
Comece já o seu próprio estoque de fotografias, vetores e clipes de vídeo profissionais. Faça o cadastro e baixe os arquivos gratuitos dessa semana!
Fonte: Design Nerd

De acordo com o portal Statista, especializado em estatísticas do e-commerce mundial, cerca de 1,66 bilhões de pessoas realizaram compras online no ano de 2017. No mercado asiático, 46% de todas as vendas foi em um aparelho móvel. O crescimento da adoção dos dispositivos “mobile” e do uso da realidade aumentada são apenas algumas das muitas transformações em tecnologias que testemunhamos e irão acelerar em 2019.
Para permanecer competitivo neste mercado em constante evolução é importante acompanhar as tecnologias emergentes em várias partes do mundo e que serão adotadas rapidamente também em terras brasileiras.
Atualmente, realizar uma compra no mundo físico ou digital é uma experiência completamente diferente. No entanto, em um futuro próximo a tecnologia permitirá que elas se tornem muito próximas uma da outra.
Hoje, quando entramos em uma loja física, temos a presença de um vendedor que nos ajuda a localizar o produto do nosso interesse. O que vai acontecer é que as plataformas de e-commerce irão adotar assistentes virtuais para facilitar a localização desses produtos. Com apenas algumas perguntas esses assistentes nos ajudarão a localizar o produto que buscamos, simplificando o processo de decisão e consequentemente a conversão nas vendas da loja online.
A realidade aumentada (AR) e a realidade virtual são duas tecnologias que terão uma adoção crescente em 2019. O AR ajuda na decisão de compra ao criar um ambiente muito mais realístico.
A Sephora, gigante francesa dos cosméticos, já utiliza o AR para auxiliar os consumidores a escolher produtos de maquiagem ou mesmo simular por meio de fotos o “look” buscado.
A varejista de moveis IKEA é outra gigante que já utiliza o AR para criar simulações ao consumidor durante a escolha do produto que melhor se adapta ao seu ambiente. Você não precisa mais imaginar como aquele sofá da foto irá se encaixar na sua sala de estar. Agora é possível ter uma visão real.
Construir um e-commerce amigável com os dispositivos móveis é o primeiro passo para se ter sucesso no online, mas não é mais suficiente. As estatísticas mostram que 60% das pesquisas no Google já ocorrem em dispositivos móveis e que os usuários preferem pesquisar produtos e realizar compras em um App ao invés de utilizar o “mobile web”.
A indústria dos aplicativos móveis está sendo impulsionada pelo e-commerce e deverá gerar um faturamento superior a US$ 189 bilhões em 2020. 45% dos consumidores preferem plataformas de e-commerce que entregam recomendações personalizadas com base no seu hábito de compra e 56% dos compradores retornariam à uma loja que ofereça recomendações personalizadas.
A Amazon é um grande case e oferece dezenas de recomendações com base no seu histórico de compras, lista de desejos e com base na chamada “sua coleção”. Mas a personalização não para aí: muitos e-mails são enviados com base nas preferências de compra e páginas navegadas.
Alguns e-commerces brasileiros já adotam em algum grau a recomendação de produtos, tanto na loja quanto no envio de e-mails personalizados, com itens de maior relevância, como a Americanas.com e Fast Shop.
O Grupo Pão de Açúcar oferece um App para os clientes do Programa Mais e Clube Extra com recomendação de produtos e descontos personalizados com base nos hábitos de compra de cada consumidor. Por exemplo: uma mãe que tem o hábito de comprar fraldas ao consultar o App receberá ofertas tanto deste produto quanto a sugestão de outros complementares.
Com a integração entre o Machine Learning e AI (inteligência artificial), podemos prever em 2019 um crescimento no surgimento de e-commerces e Apps que ofereçam soluções de recomendações personalizadas.
Mobile, Apps, assistentes virtuais, realidade aumentada, personalização, machine learnign e AI são algumas das grandes transformações que estão surgindo no e-commerce em todo o mundo e que irão se intensificar em 2019. Precisamos ficar atentos para saber o exato momento de adotar essas tecnologias, de modo a potencializar os nossos negócios digitais.
Fonte: E-Commerce Brasil

Sexta, 23 Novembro 2018 09:32

Como bombar as vendas na web

Kuki Bailly, fundadora da Rededots, deu dicas para um empreendedor se destacar na internet durante o FICE 2018
Destacar-se no e-commerce é uma tarefa complexa. Com muitos competidores e uma grande oferta de produtos na internet, é difícil lutar pela atenção do consumidor online. Mas, segundo Kuki Bailly, fundadora da Rededots, duas regrinhas podem facilitar a vida do microempreendedor individual (MEI) que aposta no comércio eletrônico.
A empreendedora foi um dos destaques do primeiro dia do Festival de Inovação e Cultura Empreendedora (FICE), evento realizado por Época NEGÓCIOS, Pequenas Empresas & Grandes Negócios e Valor Econômico. Ao público, ela explicou que a primeira regra é encontrar um nicho pouco explorado.
"Por exemplo, se você vende coxinha via internet, vai disputar certamente com outros vendedores”, diz. “Mas se você vender coxinha vegana, com um tempero especial e uma embalagem que não suja as mãos, vai lutar por um público específico e atendido por poucos competidores. Ou seja, sua chance de vender mais é maior”, diz.
Ao achar um nicho pouco explorado, o empreendedor deve apostar na segunda regra: encontrar uma narrativa para seu produto.
“Não é inventar uma história. É encontrar uma. E ela deve ‘casar’ com a estética do seu produto”, diz.
Fonte: Época Negócios

Terça, 06 Novembro 2018 09:32

10 previsões para o mercado de TI até 2023

70% dos CIOs fornecerão "conectividade ágil" por meio de APIs e arquiteturas que interconectam soluções digitais, aponta relatório da IDC
Para apoiar CIOs em sua corrida para a transformação digital, a IDC divulgou na última semana o IDC FutureScape: Worldwide CIO Agenda 2019 Predictions, relatório que traz as principais tendências para o mercado de TI até 2023. Na economia de inovação, CIOs mais eficazes estão reinventando a TI de cima a baixo, criando novas plataformas digitais com conectividade ágil enquanto modernizam e racionalizam processos com o objetivo de descarta sistemas obsoletos.
As novas previsões fornecem um contexto estratégico que permitirá aos CIOs liderar suas organizações por meio de um período de inovações e disrupções nos próximos cinco anos. Elas também apresentam a visão da IDC para as dez mudanças mais importantes que acontecerão na área de TI nos próximos 60 meses e ajudarão os executivos seniores de TI na formação de seus planos estratégicos.
A mensagem segue clara: os CIOs precisam encontrar uma maneira de reinventar suas organizações de TI, pois, caso contrário, arriscam seus negócios ou podem ser substituídos por prestadores de serviços que podem realizar o serviço.
Confira as dez previsões listadas pela IDC:
1. até 2021, impulsionados pelas necessidades das áreas de negócio, 70% dos CIOs fornecerão "conectividade ágil" por meio de APIs e arquiteturas que interconectam soluções digitais de fornecedores de nuvem, desenvolvedores de sistemas, startups e outros.
2. até 2021, compelidos a reduzir os gastos com TI, melhorar a agilidade corporativa e acelerar a inovação, 70% dos CIOs aplicarão de maneira agressiva dados e IA às operações, ferramentas e processos de TI.
3. até 2022, 65% das empresas solicitarão aos CIOs que transformem e modernizem as políticas de governança para aproveitar as oportunidades e enfrentar os novos riscos impostos pela inteligência artificial, o machine learning e a privacidade e ética dos dados.
4. até 2022, 75% das estratégias digitais bem-sucedidas serão construídas por um departamento de TI transformado, com infraestrutura, aplicativos e arquiteturas de dados modernizados e racionalizados.
5. em 2020, 80% das lideranças executivas de TI serão compensadas com base nos KPIs e métricas de negócios que medem a eficácia da TI na geração de desempenho e crescimento de negócios, e não com base em medidas operacionais de TI.
6. Em 2020, 60% dos CIOs iniciarão uma estrutura de confiança digital que irá além da prevenção de ataques cibernéticos e permitirá que as organizações se recuperem de forma resiliente de situações, eventos e efeitos adversos.
7. até 2022, 75% dos CIOs que não mudarem suas organizações para capacitar as equipes de produtos de TI para permitir a inovação, a disrupção e a escala digitais falharão em suas funções.
8. até 2022, o conjunto de talentos para tecnologias emergentes será inadequado para preencher pelo menos 30% da demanda global e o desenvolvimento e retenção eficazes de habilidades se tornarão estratégias diferenciadoras.
9. em 2021, 65% dos CIOs expandirão as práticas de Agile/DevOps para áreas de negócio, a fim de alcançar a velocidade necessária para inovação, execução e mudança.
10. em 2023, 70% dos CIOs que não conseguirem gerenciar a governança, a estratégia e as operações de TI, dividindo-as entre a computação de ponta, dominada pelas áreas de negócio, e a tecnologia operacional, falharão profissionalmente.

Página 11 de 11