Terça, 08 Setembro 2020 11:24

Market place ou loja virtual?

Escrito por
Avalie este item
(0 votos)

É inegável a tendência do consumidor em comprar em marketplaces.

Mas será que basear a sua estratégia de vendas em marketplaces é o suficiente para marcar a sua presença na web e vender mais?

Este texto não tem a finalidade de responder a esta pergunta mas de levantar a questão.

Leia, analise e tire as suas conclusões. Eu tenho a minha.

O mundo está lotado de marketplaces. Cada um tem as suas regras e seus custos de funcionamento, mas de um modo geral, funcionam como um shopping.

Na realidade, o marketplace é um lugar onde você poderá expor os seus produtos, em meio a uma enxurrada de outros vendedores, muitos deles vendendo o mesmo produto que você.

É comum o marketplace, na tela do seu produto, apresentar outras opções do mesmo.

A diferença básica do marketplace para o shopping é que no caso do marketplace, ele é quem tem o cliente e por conta disso, ele recebe o pagamento e repassa para o vendedor, já descontado da sua comissão. Esta comissão gira em torno de 10 a 20%.

Outro inconveniente é que cada marketplace tem a sua interface. Isso fará com que você tenha que postar seus dados de forma individual, ou seja, sistema a sistema. Tecnicamente isso pode ser uma dificuldade.

Para minimizar este trabalho, existem algumas empresas que promovem a integração com os marketplaces. Você posta seus produtos em um único ambiente e o integrador se encarrega de passar para os marketplaces que você opera, coletando deles os pedidos para você atender.

A outra opção é ter seu próprio site.

Sua loja própria, onde você marque sua presença na internet, não pague comissão para ninguém e possa ter o cliente 100% seu, quando ele entrar na sua loja.

Pode colocar o que quiser, da forma que quiser, sem se preocupar com outros concorrentes que tenham preços menores.

O inconveniente é que você terá que atrair o cliente para a sua loja pois você, ao contrário do marketplace, não gastará milhões em propaganda e divulgação.

E agora? Qual a melhor opção? Na minha opinião, as duas. Tenha a sua loja.

É necessário ter uma referência fixa sua, para que o cliente veja que você é mais que um anúncio em um site.

Embora comprando no marketplace, muitas vezes o cliente desiste por não acreditar que a mercadoria será entregue em função da reputação do vendedor.

Por estar comprando em um marketplace ele sabe que terá o dinheiro de volta em caso de problemas, mas também sabe que isso não impede de ter problemas.

Na escolha da sua loja, certifique-se que ela seja, além de bonita, fácil de usar, administrar e que tenha recursos que são normalmente encontrados em sites grandes. Vou relacionar alguns e explicar o significado deles.

Busca inteligente, onde o site possa localizar um produto não apenas pelo título mas pelas informações nele existentes.

Navegação por filtro, onde o cliente possa ir refinando a sua busca em função das características de seus produtos.  Algo como camisa, azul , tamanho P, e o site apresentar apenas as camisas azuis pequenas.
Mesmo grandes marketplaces costumam falhar neste quesito, trazendo para o cliente resultados que muitas vezes não tem nada a ver com o assunto desejado.
No exemplo apresentado, trazer como resposta uma calça azul ou uma camisa preta.

Responsivo.
Isso é fundamental nos dias de hoje. A responsividade é a capacidade do site se adaptar as condições de visualização do aparelho onde ele está sendo exibido, seja ele um celular ou um monitor de 30 polegadas. Atualmente, as pessoas tem acessado a internet mais pelo celular e tablet do que em computadores e notebooks.

Carrinho persistente. É comum o cliente não fechar a compra na primeira visita. Certifique-se que a sua loja consiga registrar a presença do cliente e que, quando ele voltar possa trazer o carrinho dele de volta, pra que ele não precise selecionar sempre os produtos.

Compra combinada é como chamamos aquele efeito de comprar dois ou mais produtos de uma vez e ter um preço menor por conta disso.

Promoções e descontos por tempo determinado. Já ouviu falar em "Black Friday"?
Quanto tempo você terá para alterar os preços dos produtos todos para apenas um final de semana? Sua loja deve poder permitir que isso seja feito antecipadamente e posto no ar de forma automática.

Mais imagens do produto. Se seu produto necessitar de detalhes, esteja certo que que a sua loja possa registrar mais de uma imagem dele. Pode parecer que não, mas aparência é fundamental.

Moedas e idiomas. O Brasil é grande, mas não é dois! Não estamos sozinhos no mundo e pode ser interessante ter seu site em mais de um idioma e até mesmo com mais de uma moeda.

Comunicação com o cliente.
Seja mais que uma loja! Se você gosta de escrever, talvez seja interessante que o seu site tenha uma área onde você possa postar assuntos interessantes relacionados a sua atividade e com isso atrair mais público para ela.
Mas lembre-se: ninguém lê notícias velhas. Não adianta ter um blog onde a postagem mais recente tem um ano e meio. Neste caso, é melhor não ter.

Formas de pagamento e modos de entrega integrada com a loja, de forma direta. É fundamental que o cliente possa fazer o pedido e fechar a compra sem a necessidade de um contato posterior. Já vi muita loja onde o cliente apenas faz um orçamento e fica esperando um retorno para saber do preço e forma de pagamento. O que acontece na verdade é que ele procura outra loja, onde possa comprar diretamente.

Responda ao cliente. Tenha uma área de "fale conosco" e responda ao cliente o mais rápido possível.

Evite soluções que você não terá como administrar, tipo "chat online" que está sempre offline.

Utilize uma plataforma com base instalada sólida. Existem soluções de código fonte aberto que são mais baratas para a implantação. Essas plataformas possuem comunidades que garantem o desenvolvimento constante do produto. Plataformas proprietárias costumam trazer limitações de uso, um custo maior de implantação e algumas delas uma taxa sobre as vendas.

Integração com marketplaces, seja de forma direta ou por intermédio de um integrador. Verifique se a sua plataforma pode se comunicar com os marketplaces.
Existem algumas soluções de integração que permitem que o cadastro feito na sua loja seja postado diretamente nos marketplaces e os pedidos inseridos trazidos de lá.
Antes de contratar, verifique as condições de funcionamento do integrador para ter certeza que a sua loja continuará funcionando após a integração.

Espero que este pequeno artigo tenha, pelo menos, feito você pensar.

Ler 68 vezes
Sérgio Anachoreta

Engenheiro civil por formação, analista de sistemas por profissão, cervejeiro por paixão.